sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Caio Fernando Abreu


 "E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça - que não era Capitu, mas também tem olhos de ressaca - levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário… por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.
Caio Fernando Abreu




"Pedi uma definição ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. Mas que me diga logo pra que eu possa desocupar o coração. Avisei que não dou mais nenhum sinal de vida. E não darei. Não é mais possível. Não vou me alimentar de ilusões. Prefiro reconhecer com o máximo de tranqüilidade possível que estou só do que ficar a mercê de visitas adiadas, encontros transferidos. No plano real: que história é essa? No que depende de mim, estou disposto e aberto. Perguntei a ele como se sentia. Que me dissesse
. Que eu tomaria o silêncio como um não e ficaria também em silêncio.
Acho que fiz bem."


Caio Fernando Abreu

4 comentários:

Anônimo disse...

olá, gostaria de saber em que obra encontro esse texto?
Obrigada.

Anônimo disse...

falo do último: "ou me quer e vem ou não me quer e não vem..."

Si disse...

não sabia como colocar o nome... por isso coloquei anônimo rsrsrs
obrigada.

Ana Paula Duarte disse...

ADOOREI teu blog!
Citações maravilhosas!!
C.F. Abreu, então, dispensa coments!
Parabéns...Me encontro em www.anaconfabulando.blogspot.com
ABRAÇO.

Postar um comentário